Páginas

domingo, 21 de dezembro de 2008

Thomas Hobbes e a sua obra Leviatã


Thomas Hobbes, é um dos filósofos que compõem a base para a introdução do estudo de Direito. Nascido em 1588, na cidade de Malmesbury, Inglaterra, foi um matemático, teórico político, e filósofo. É conhecido na ciência do Direito, por ser autor do Livro Leviatã, que tem como base a alegação:
Os humanos são egoístas por natureza. Com essa natureza tenderiam a guerrear entre si, todos contra todos (Bellum omnia omnes). Assim, para não exterminarmo-nos uns aos outros será necessário um contrato social que estabeleça a paz, a qual levará os homens a abdicarem da guerra contra outros homens. Mas, egoístas que são, necessitam de um soberano (Leviatã) que puna aqueles que não obedecem ao contrato social.
Fonte do Mini-Resumo: Wikipédia

É interessante saber que este descrito faz nos refletir sobre diversos pontos de vista relacionados com a Bíblia e o Direito, podemos citar primeiramente um texto bíblico que está em Jeremias 17.5:
"Assim diz o Senhor: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do Senhor!"
Este texto afirma o que Thomas Hobbes afirmou sobre o contrato social, todavia é importante ter cuidado sobre sua filosofia, pois ele também alega que os humanos são egoístas por Natureza, o que contraria os escritos bíblicos sobre a criação do homem, no qual está escrito no livro de Gênesis 1.26(Parte1):
"E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança..."

Sabemos que o que fez o homem ficar desta forma é a distância de Deus, devido aos seus pecados, está é a essência teologica para o relacionamento do homem através do contrato Social.

Como curiosidade é importante citar o título de sua Obra, "Leviatã", que pode ser levado para uma refêrencia Bíblica, citada no Livro de Jó, capítulo 41, sendo Leviatã este um monstro áquatico. Está passagem foi estudada por diversos teológos que o consideram o mostro uma entidade malígna que atormentou Jó a mando de Satánas; fazendo assim uma analogia com a obra de Thomas Hobbes, podemos entender que seria um líder político, soberano, uma união Absolutista entre o Estado e Igreja que garantiria a segurança social, no qual o autor defende. A respeito de Thomas Hobbes, ele apóia a monarquia e neste sentido demonstra uma crítica aos Protestantes pela livre interpretação da Bíblia, talvez este pensamento seria correspondido pelo contexto histórico que a Inglaterra vívia, após ter sofrido uma guerra Civil, no qual tinha sido instituído uma república.

Um comentário:

Rodomar Ricardo Ramlow disse...

Blog Interessante!
Aproveitando: O passar do tempo com os anos ajudam a revelar o amor e a fidelidade de Deus na história!
Abençoado 2009!